Thursday, November 3, 2011

O Circo

A Eurábia está (uff! finalmente!) á beira do Kaos with a view to Waterloo. Como zona económico-política construída nas costas dos povos, não democraticamente portanto, a UE tem medo dos referendos como o diabo da cruz. O pânico foi generalizado e o Euro ficou á beira do colapso com o anúncio do refendo grego. A pressão política, a chantagem, as ameaças, foram de tal ordem que, hoje, Papandreu deu o dito por não dito, afastando a hipótese de consulta aos gregos, desde que consiga um voto maioritário e eufemistico no parlamento. A UE que sair desta crise, se sair, vai ser uma "União" mais oligarca e dividida do que nunca. Por um lado, um directório que se quer impor. Por outro, uma elite de burocratas-comissários que quer governar. As nações, esmagadas por estes dois movimentos de tomada de poder, estando demograficamente exauridas,  não possuindo capacidade revolucionária centrífuga, a Europa de uma maneira ou outra, colapsará para o centro. Uma nova tirania surgirá, apoiada pelos muçulmanos que serão sempre aliados, das forças centríptas que os protegem, isto é, dos funcionário-burocratas-comissários e da ideologia multiculturalista da Comissão Europeia. De qualquer maneira, os demónios da Europa, estão de volta. E as ruínas também. E não só as gregas.
Para que este cenário algo prospectivo possa não acontecer, é urgente a realização de um referendo a nível europeu sobre a (des)construção cultural, social e económica das suas nações. Para que os povos se possam esclarecer mutuamente se se revêm nesta Europa ameaçada e ameaçadora, da austeridade, do desemprego e da islamização.
 Costuma-se dizer que um mal nunca vem só. Ontem, as instalações do jornal humorístico francês Charlie Hebdo foram atacadas e incendiadas por muçulmanos, só porque fez uma edição, como sempre cómica, em que o Director convidado foi nem mais nem do que a figura do profeta pedófilo, o Maomé. A edição correspondente foi intitulada Charia Hebdo. O Silêncio perante mais este incêndio da liberdade de expressão, é insurdecedor e uma prova cabal de que islamização é já um facto adquirido. Fosse o papa a criticar a homosexualidade instituída e cairia o Carmo e a Trindade.
 Os 3 livros mais lidos lá pelas bandas civilizacionalmente mal frequentadas das Arábias e do Norte de África são o corão, o Mein Kampf do Hitler e o livro falso anti-semita "Os protocolos dos Sábios do Sião". Todos aqueles 3 livros apelam á morte dos judeus. Cá por Portugal, pelos vistos também há sectores minoritários da política portuguesa que os consultam ávidamente. Não sei se os militantes comunistas se inspiram no corão (não me admirava nada!) ou não, mas que no Mein Kampf do Hitler e no anti-semitismo, não temos dúvidas. Aliás é o próprio jornal nacional-comunista, O Avante que utiliza teses daquele livro racista publicado no final do séc. XIX "só" para atacar o governo.
Que os comunas sejam uma merda, já todos nós sabemos. Já nos tinhamos esquecido, no entanto, que são uma merda tão radicalmente malcheirosa. Para que este mau-cheiro racista anti-semita não torne este país ainda mais nauseabundo, talvez fosse boa a altura para aproveittar e atirar com os gajos lá para os pantânos de Tunguska. Mas se, devido à crise, não houver dinheiro suficiente para tal ponte aérea, qualquer ETAR servirá como substituto  (reciclável até) daquele destino siberiano. Entravam como comunas malcheirosos e saiam como socialistas aprumadinhos e politicamente correctos.
Imaginem só a quantidade de postos de trabalho que os portugueses, com vontade de trabalhar, teriam disponíveis. Só na primeira hipótese claro está. E o que a economia cresceria! É uma questão a pensar seriamente pela sociedade portuguesa. Já agora, faça-se um referendo. Aceitam-se propostas para a pergunta a fazer aos portugueses.

2 comments:

FireHead said...

Eu só quero ver por quanto mais tempo aguenta a UE. Há muitos interesses em jogo, muita gente com os tachos em perigo, muita jogada maçónica em cheque...

Immanum Pecus said...

;)