Sunday, September 18, 2011

Tenham Cuidado Com As Carteiras.

Nothing is more senseless than base so many expectations on the state, that is, to assume the existence of collective wisdom and foresight after taking for granted the existence of individual imbecility and improvidence.

                        -Frédéric Bastiat, Economic Sophisms (1845).
Anda por aí um sociólogo (só um?) com jeito para carteirista.
Em entrevista ao jornal de extrema-esquerda, Público, o funcionário público e xamã de Coimbra, Boaventura Sousa Santos (BSS), afirmou, que “só o Estado garante direitos. Se o Estado se ausenta deixamos de ter direitos para termos meramente carências”.
Esquecendo a situação económico-financeira actual de bancarrota de Portugal, o Sr. BSS parece-se como aquele condutor de autocarro, que apinhado de gente e a alguns metros do profundo abismo, acelera em vez de travar, invocando os direitos e cidadania dos passageiros.
O capital humano é o elemento mais importante de uma sociedade. Depois de séculos de Estado omnipresente os portugueses estão completamente escleresados. BBS, pelos vistos, quer-nos transformar a todos em funcionários públicos de um Estado que teve a  “lata” de se meter na boca das criancinhas com o cheque dentista, e agora no preservativo com a Educação Sexual nas escolas. Mas parece que não lhe basta. A condição de múmias paralíticas subsidiadas é do agrado do sociólogo BBS. Fã do Estado grande, pretende que este dirija o sector financeiro, a indústria automóvel, o mercado de arrendamento, o Serviço Nacional de Saúde, e se calhar, até o próprio clima.
Os portugueses têm de perceber que a conversa estatista da defesa do Estado Social nada tem a ver com o sistema nacional de saúde ou com a educação. Tem a ver com a governação.
Enfiam-nos com uma quantidade socialista de impostos pela goela abaixo, para sustentar a governamentalização da educação e da saúde, só para dar dois exemplos, sendo esta a melhor maneira da esquerda se perpetuar no poder. Ela define a relação entre o cidadão e o Estado de uma maneira que um Estado e um governo pequeno não o pode. É por isso que os governos de centro direita na Europa podem ser eleitos brevemente para governar, mas nunca têm o poder. Este, está nas mãos dos sindicatos, e de comissários políticos, mais ou menos académicos, exactamente como o Sr. BSS…nas mãos de burocratas partidários, de gestores de burocracias exasperantes de kafkianas. Em todos os sectores da sociedade! Experimente o leitor, leccionar (ou criar uma empresa) umas aulas durante um pequeno período da sua vida e logo vê o que eu estou a referir.

BSS ao ataque afirma que, “os agentes privados não actuam com base em critérios de cidadania”. Decorre daqui que, para ele, toda a iniciativa privada é no mínimo não social se não mesmo anti-social. O aprendiz de Pol Pot, parece querer-nos reeducar pois voluntariamente ou não, esqueceu-se que todo o avanço na qualidade de vida das sociedades modernas desde o séc. XIX até ao início dos anos 90, só foi possível com a liberdade, a qualidade e a criatividade de cidadãos-empresários. Com movimentos sindicais e operários ou não, sem riqueza criada pelo empreendedorismo, teremos a Somália ou Cuba por futuro. Aliás já vamos a caminho...
O estatismo, conforme o conhecemos na Europa no séc XXI, amacia a vontade dos cidadãos. Não tiraniza mas torna-se um obstáculo, restringe, enerva, extingue, estupidifica e reduz cada nação a nada mais do que um rebanho de tímidos e industriosos animais do qual o grande governo é o pastor.
E BSS tem jeito para a pastorícia social. Pelo menos, a legião que lhe dá ouvidos, parece-se com um rebanho de ovelhas devotas. 

2 comments:

FireHead said...

É verdade. O esquerdume está tão impregnado nas sociedades europeias que mesmo que as forças de direita (ou centro-direita, vá) cheguem ao poder, acabam por ficar lá por pouco tempo. Alguém tem dúvidas de que aqui em Portugal o PSD/PP vai deixar de ser governo no fim do mandato do Passos Coelho? Os xuxialistas estarão de volta porque é isso que as pessoas - com tendências suicidas, diga-se de passagem - vão querer para nos lixar a todos (apesar de termos tido um Guterres ou um Sócrates).
Na Dinamarca o centro-esquerda "assaltou" o poder depois das medidas salvíficas que o país tomou. Nas eleições autárquicas alemãs, até o patético Partido Pirata (que defende o download ilegal) conseguiu 11% em Berlim.
Acho que o problema da Europa não é apenas das elites reinantes. É da maioria do povo mesmo. Não aprenderam nada com a história.

Immanum Pecus said...
This comment has been removed by the author.